Memória 210

Não fui tão amigo do diretor Fernando Campos, como eu gostaria de ter sido. Quando nos encontrávamos bebíamos uns copos onde estivéssemos e batíamos bons papos. O convidei para fazer uma ponta na CRONICA DE UM INDUSTRIAL e ele apareceu elegantérrimo de terno e gravata. Na minha opinião Fernando talvez tenha sido o nosso melhor... Continuar Lendo →

Anúncios

Memória 209

Vejo melhor hoje que ter vivido alguns poucos anos fora, foi o melhor presente que a vida me deu pois aqui tudo estava proibido. Eram os tristes Anos de Chumbo. E sensibilidade e saber no Brasil sempre foram pragas combatidas pela moralidade/imoral das elites e pela religião. Basta ver a permanente produção do mal-estar nos... Continuar Lendo →

Memórias 208

Talvez seja necessário compreender o nascimento de um filme meu. Nunca nasce em linha reta e é uma gestação complicada pois envolve desde música de Bach a livros, colagens, animação, o espaço e muito uma insistente procura do belo, mesmo no feio como é o caso de OS PRÍNCIPES em que o produtor perdeu as... Continuar Lendo →

Memória 207

Bem, não consigo representar o pateta diante do real pensamento da TRAIÇÃO! Da própria traição e censura menos ainda pois briguei 21 anos com elas. Fiz mais de 50 filmes sérios e só briguei e me afastei de duas atrizes e dois produtores. Como acho que nos ajudamos mutuamente por algum tempo, no que brigamos... Continuar Lendo →

Memória 206

É preciso esclarecer logo sobre meu último longa: não era o projeto que eu queria filmar. Mas, não tendo recursos para fazer o COMMEDIA DELL'ARTE, filmamos OS PRÍNCIPES num plano único de humor ácido e HORROR! Um filme de abutres, arrogâncias, dores, sujo mais belo, e para quem souber ver impuro, imoral e político. Dizer... Continuar Lendo →

Memória 205

O que me faz decidir entre um Plano Próximo ou um Plano Geral? Entre um Travelling ou uma Panorâmica? Claro que contam os recursos, o cenário, o roteiro e os atores. Nunca usei a vitimização da falta de "grana" para não fazer. Faço e fazemos apesar da eterna falta de dinheiro. Não para sermos exemplos,... Continuar Lendo →

Memória 204

Minha amizade com a crítica cinematográfica aqui, foi sempre muito superficial. Na verdade uma sucessão de encontros ao acaso sem afetividade, dúvidas ou encantamentos. Eu sempre dizia nos anos de INC que os críticos eram de Marte e os cineastas do Sol. Matizes de fluxos diferentes e muitas vezes conflitantes.Muito por isso preferi seguir só no... Continuar Lendo →

Memória 203

Felizmente nunca fui reprodutor da progressão econômica e militar de Hollywood, e menos ainda da TV no cinema brasileiro. Impostos ao público como armamento, sempre os achei uma fixação na depressão sem significação humana e poética alguma. São interventores ou ocupantes sim! Dizem que é trabalho. Mas será mesmo? Ênfase a prostituição de escritores, técnicos,... Continuar Lendo →

202

Como realizador de alguns filmes de ficção, nunca gostei de nenhum tipo de identificação, sem crítica. Nem do ator com o seu personagem, como do espectador com a representação dos fatos. A identificação sem crítica e o baixo uso do espectador é fartamente explorado pelo cinemão de Hollywood e pelas novelinhas da TV, Seus realizadores... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑